Pesquisar

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Resultado da pré-seleção para consultoria do projeto Linhas Cruzadas.

Divulgação dos nomes para entrevista para seleção de consultoria

Recife, 28 de agosto de 2017.

Conforme descrito no termo de referência para o processo seletivo de contratação de consultor/a no âmbito do Projeto Linhas Cruzadas: Diálogo entre crianças, adolescentes e jovens por uma cidade mais justa, divulgamos abaixo os nomes das candidatas pré-selecionadas para entrevista, de acordo com o respectivo horário que está informado.  


Nome da candidata                                 Horário da entrevista
1. Márcia Laranjeira Jácome                            14h00
2. Clarice Maia Ferreira de Amorim                14h45
3. Camila Garroux                                            15h30
4. Paula Sophia Branco de Lima                      16h15

As candidatas que não residem no Recife, ou não se encontram na cidade, podem agendar a reunião via skype. Mas, para isso, devem confirmar o interesse e enviar as informações do skype até a terça-feira (29/08/2017), no horário da manhã (até 12h) via e-mail (papai@papai.org.br), ou ligar para instituição informando.  A não realização da entrevista já elimina a candidata do processo de seleção.

Qualquer dúvida nos colocamos a disposição para esclarecimentos pelo email, ou por telefone (81) 3271.4804 / 3039.6513.

Atenciosamente,

Instituto Papai

Quem somos

Fundado, em 1997, o Instituto PAPAI é um projeto social que tem como missão promover cidadania com justiça social, contribuindo para a garantia dos direitos humanos, em prol da eliminação de desigualdades e da afirmação e valorização da diversidade, a partir da perspectiva feminista de gênero, atuando contra qualquer expressão de machismo e patriarcado.

Temos por objetivo promover ações político-pedagógicas no campo das relações de gênero, saúde e sexualidade, atuando no campo da saúde pública, educação e em instâncias de controle social (integrando movimentos sociais e intervindo na formulação, avaliação e monitoramento de políticas públicas). Nossas ações visam romper barreiras individuais, simbólicas, culturais e institucionais que criam obstáculos, orientados por uma ordem heteropatriarcal de masculinidade, e impedem a maior participação masculina no contexto dos direitos sexuais e reprodutivos e, consequentemente, geram obstáculos à uma transformação simbólica, política e de prática mais profunda.

Consideramos que é necessária uma leitura crítica, à luz do feminismo, sobre os processos de institucionalização de masculinidades e feminilidades, que são construídos a partir da desigualdade de gênero.

Acesse nossas redes sociais para se atualizar em relação às nossos projetos e ações.