terça-feira, 10 de novembro de 2015

Quebrando Vidraças: desconstruindo o machismo no audiovisual pernambucano


Evento discute cinema de mulheres, gênero, empoderamento, visibilidade feminina na cadeia produtiva do audiovisual

Nesta quarta-feira (11) o Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães recebe a roda de diálogo “Quebrando vidraças: desconstruindo o machismo no audiovisual pernambucano”, o evento será realizado às 14h30 no auditório do Mamam e é aberto ao público.

Como debatedoras estarão presentes as realizadoras em audiovisual Renata Pinheiro e Juliana Lima, a pesquisadora de cinema Dayane Dantas, e Mariana Azevedo, Coordenadora Geral do Instituto Papai, mediará o debate, que, em seguida, será aberto à plateia. O Instituto Papai é uma ong feminista, sediada no bairro da Várzea, em Recife, e envolve os homens no combate ao machismo e contra todas as formas de opressão às mulheres.

Recentemente ganhou destaque na mídia local e nas redes sociais, o episódio de machismo no audiovisual quando da exibição, debate sobre o filme “Que horas ela volta?” (Anna Muylaert). No link, é possível relembrar o ocorrido: page/blog/2015/08/31/apos-atitudes-machistas-no-debate-de-que-horas-ela-volta-lirio-ferreira-e-claudio-assis-sao-punidos-pela-fundaj/

Para evitar que cenas como essa se repitam, as mulheres do audiovisual se organizam para mostrar que estão atentas e querem mudar esse cenário de machismo. O vento deve ainda reunir mulheres de coletivos feministas e demais entidades parceiras do evento.

Serviço:

Quebrando vidraças: desconstruindo o machismo no audiovisual pernambucano
(roda de diálogo)
Auditório do Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães – MAMAM, Rua da Aurora, Recife
Quarta-feira, 11/nov
14h30 às 17h
Entrada gratuita
Mais informações: Página do evento no Facebook https://www.facebook.com/events/1514892778835440/

Contatos para entrevistas:

Mariana Azevedo (Coordenadora Geral do Instituto PAPAI) – (81) 9.9809.9633/ 9.8798.0850 mariana@papai.org.br Contatos com as organizadoras Ludimilla Carvalho, Natália Lopes, Raquel Santana. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário