terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Pesquisadores e militantes do Instituto PAPAI e Gema-UFPE participam de evento científico no Chile


O tema do Colóquio é Patriarcado no Século XXI: trocas e resistências

                De 14 a 16 de janeiro, será realizado em Santiago, no Chile, o 5º Colóquio Internacional de Estudos sobre Homens e Masculinidades. O evento representa a oportunidade de pesquisadores e militantes de todo o mundo se encontrarem para debater os assuntos que estão na agenda da sociedade mundial e que envolvem o patriarcado neste século XXI, assuntos esses nas pautas de luta e pesquisa dos membros do Instituto PAPAI e do Núcleo de Pesquisa em Gênero e Masculinidades da Universidade Federal de Pernambuco – Gema-UFPE, os quais apresentarão artigos científicos e coordenarão grupo de trabalho no Colóquio. Os representantes do Instituto PAPAI e Gema-UFPE também programaram uma intervenção coletiva no dia 15 de janeiro (2º dia do Colóquio) com o tema “O fim do patriarcado é o caminho da grande revolução de gênero”, nela, as equipes distribuirão adesivos aos participantes do encontro (ver materiais abaixo).





                Entre os temas dos artigos que serão apresentados pelos pesquisadores e militantes estão relações de gênero; Lei do Acompanhante; análise do ideal de masculinidade na publicidade brasileira; e It Gets Better Project (Projeto Tudo Vai Melhorar) e seu impacto na qualidade de vida de jovens homossexuais e bissexuais. O Coordenador Executivo do Instituto PAPAI, Sirley Vieira destaca a importância da participação do Instituto no Colóquio: Somos uma instituição reconhecida e respeitada pelas ações e pesquisas nesse campo – inclusive fazemos parte da comissão científica do evento; levamos o nosso pensamento em relação ao trabalho sobre os homens e as masculinidades, que é uma experiência pautada a partir de uma perspectiva feminista e de gênero.”  Para o Coordenador do Gema-UFPE, Benedito Medrado,  o Colóquio, de dimensão latino-americana, potencializa laços e traz também a perspectiva de novas alianças: “o encontro envolve pesquisadores e militantes no campo dos estudos feministas e de gênero de diferentes países da região com os quais temos mantido diálogo há vários anos e, ao mesmo tempo, potencializa articulações coletivas futuras com vistas à produção de conhecimento sobre homens e masculinidades nesses países marcados por semelhantes desafios políticos no campo dos direitos humanos." Para alguns pesquisadores do Instituto PAPAI, ainda estudantes, e que vão ao evento contando com a ajuda de custo da Universidade Federal de Pernambuco, participar do Colóquio representa também a possibilidade de desbravamento de novas possibilidades no campo das masculinidades e interações com pesquisadores mais experientes na área.

                A volta das equipes do Instituto PAPAI e Gema-UFPE ao Recife está marcada para o próximo domingo (18).

Resumos dos artigos que serão apresentados:

Homens trabalhadores migratórios: família, o lugar do pertencimento!
Sirley Vieira da Silva*
Mestre em Antropologia pela Universidade Federal de Pernambuco (Brasil); Pesquisador e Coordenador Executivo do Instituto Papai; Coordenador da Rede de Homens pela Equidade de Gênero (RHEG) – e-mail: sirleyvieira@gmail.com

Resumo:
Este artigo discute como homens trabalhadores migratórios evidenciam a família enquanto um lugar simbólico de pertencimento permanente. Os sujeitos da pesquisa são trabalhadores da construção civil, contratados por empresas responsáveis pelas obras da Refinaria Abreu e Lima, localizada em Suape (Pernambuco - Brasil). Os trabalhadores ficam em alojamentos nas comunidades próximas a obra. Percebe-se que a família é uma entidade importante para pensar como esses reportam ideias de cuidado, trabalho, sexualidade e risco, que estão presentes nas vivências e referências da identidade social desse grupo. Identifica-se também que o estilo de vida desses condiciona uma forma de se relacionarem com a região muito fluída. Constituem vínculos temporários e passageiros com o lugar, característica da profissão que exercem. Para esses sujeitos, a família é o único lugar percebido como uma região de pertencimento permanente. Um lugar subjetivo por excelência, pois a região nem sempre será vista como “lugar fixo”.
 Palavras Chaves: homens, família, trabalho e migração


Trabalhando os direitos sexuais e reprodutivos com homens jovens: reflexões sobre a prática da educação em sexualidade com jovens homens
Sirley Vieira da Silva (1)
Mestre em Antropologia pela UFPE (Brasil); Pesquisador e Coordenador Executivo do Instituto Papai; Coordenador da Rede de Homens pela Equidade de Gênero (RHEG); sirleyvieira@gmail.com
Germana da Silva Nascimento (2)
Mestre em Filosofia pela UFPE (Brasil); Educadora do Instituto PAPAI; germana@papai.org.br
Wagner Júlio Montenegro (3)
Graduado em Ciencias Sociais pela UFPE; Educador do Instituto Papai; wagner@papai.org.br
Natália Cordeiro Guimarães (4)
Graduanda em Ciência a Política pela UFPE; estagiária do Instituto Papai; natalia.c.guimaraes@gmail.com

Resumo:
As reflexões aqui apresentadas referem-se ao trabalho em educação popular em sexualidade realizado pelo Instituto PAPAI, com grupos de jovens homens. Essa experiência fez parte do projeto “Homens Jovens Multiplicadores”, que focou em temas do campo da saúde, sexualidade, violência e os direito sexual e reprodutiva. Uma das estratégias de ampliação do impacto do aprendizado foi a realização de ações de campanhas educativas e uma peça de teatro. Observamos, durante todo processo, que: os homens jovens estão abertos à aprendizagem e ao diálogo; existem muitas dúvidas acerca da sexualidade e num ambiente de convívio com outros pares eles se sentem mais a vontade em expor e admitir fragilidades; o corpo e as manifestações acerca da sexualidade feminina e masculina despertam muitas curiosidades; refletem os entraves e conflitos a partir da educação/socialização que receberam e passam a questionar esse modelo machista.
Palavras-chave: Socialização masculina; Direitos sexuais e reprodutivos; Educação popular. 


Programa Bolsa Família: rupturas e permanências do status e poder masculinos – um estudo exploratório.
Autoras: Eloah Vieira; Rebecca França
Resumo
Em 2003 o Governo Federal brasileiro implementou o Programa Bolsa Família(PBF). Este é um programa de transferência condicionada de renda que objetiva diminuir as desigualdades sociais no país. A finalidade deste estudo é investigar se através do PBF, que dá preferência às mulheres no recebimento do benefício, há enfraquecimento do status e poder do homem e fortalecimento e empoderamento da mulher. Para tanto, focamos no discurso masculino. Realizamos entrevistas com homens parentes de mulheres beneficiárias do PBF e moradores da zona oeste de Recife (Pernambuco-Brasil); e entrevistas com Agentes Comunitárias da Saúde da mesma região. As reflexões deste estudo são construídas a partir da articulação entre referencial teórico, dados oficiais de instituições governamentais e dados coletados. Desta forma, pretendemos refletir sobre as possibilidades de transformações ou não nas relações de gênero, no que diz respeito a análise do status e poder masculinos, a partir da influência do Programa Bolsa Família. 

Masculinidades e o descumprimento da “lei do acompanhante” no Brasil.

Autores: Eloah Vieira; Gabriel Ferreira de Brito; Mariana Azevedo

Resumo
Este trabalho analisa os motivos do descumprimento da Lei 11.108/2005 (Lei do acompanhante) em maternidades na Região Metropolitana do Recife e outras cidades brasileiras quando homens foram escolhidos pelas parturientes como acompanhantes. Por meio de entrevistas presenciais e coleta de relatos pela internet, profissionais de saúde e usuários/as de serviços de saúde, respectivamente, forneceram dados para que tal pesquisa pudesse se desenvolver. Nas entrevistas e relatos, vários motivos foram alegados para explicar o descumprimento da lei do acompanhante nos casos em que o pai da criança que está para nascer foi escolhido pela parturiente como seu acompanhante mas foi impedido. Neste sentido, arguisse aqui, que não basta uma política pública para resolver o problema do descumprimento desta lei, tampouco seriam apenas reformas estruturais que resolveriam este problema; mas também uma ressignificação simbólica das esferas culturais referentes às masculinidades e às relações de gênero.

O "macho" na publicidade brasileira: análise do ideal de masculinidade.

Wellthon Rafael Aguiar Leal;
Mariana Azevedo






Resumo: O presente trabalho pretende analisar como a mídia brasileira vem tratando o ideal do que é ser homem na sociedade. Através da análise de propagandas publicitárias do horário nobre da TV  aberta brasileira, foi discutido como a publicidade tem trabalhado o binarismo de gênero, a sexualização dos corpos femininos e masculinos, e como os sujeitos masculinos e femininos tem ocupado posições de poder no imagético da mídia brasileira. Através da análise de discurso pontuaremos como o “ser macho” é estabelecido no discurso midiático em contrapartida ao que é ser mulher no contexto brasileiro. Apresentamos também a problemática das posições de poder e não democratização da mídia no Brasil que garante não apenas um poder midiático concentrada em algumas figuras masculinas no país, mas legitima um empecilho a discussão dos problemas sociais apresentados na mídia assim como impede uma futura solução para o quadro a ser apresentado no trabalho.


It Gets Better Project:
a experiência de implementação do projeto na América do Sul e seu impacto na qualidade de vida dos homens jovens homossexuais e bissexuais.


Felipe Gabriel Gomes de Medeiros
Licenciado en Gestão da Informacão na Universidade Federal de Pernambuco, Coordenador Executivo do Projeto Tudo Vai Melhorar - Brasil. felipe@papai.org.br

Julio Cezar Dantas
Licenciado em Política e Administração na University of Massachusetts Amherst, Coordenador do Projeto Todo Mejora Chile

Diego Valdez Bazán
Licenciado em Jornalismo pela Universidad Nacional de Asunción, Presidente Executivo do Projeto Todo Mejora Paraguay.

Thiago Pereira Rocha
Licenciatura en Biblioteconomia na Universidade Federal de Pernambuco, Coordenador Educativo do Projeto Tudo Vai Melhorar – Brasil. thiago@papai.org.br

Este artigo consta de um estudo exploratório, descritivo e participante, elaborado a partir da inserção dos autores na implementação do It Gets Better Project em três países da América do Sul – Chile, Paraguai e Brasil. A obra trata de compreender a história da execução do projeto nos três diferentes contextos, tomando como ponto de partida a institucionalização do It Gets Better Project no ano de 2010, nos Estados Unidos, como uma estratégia digital, internacional, para a prevenção do suicídio de adolescentes e jovens LGBT e para enfrentar o bullying homofóbico.
Observando os limites físicos e simbólicos que se encontram entre os três contextos analisados, tratamos de determinar, neste trabalho, o que aproxima e o que distancia os projetos implementados e o impacto que têm tido sobre a qualidade de vida dos homens jovens gays e bissexuais chilenos, paraguaios e brasileiros, levando em conta que este é o grupo populacional mais afetado por episódios de bullying homofóbico na região e que é também um dos grupos com o maior índice de suicídos na américa latina. 


Serviço:
Participação dos pesquisadores e militantes do Instituto PAPAI e Gema-UFPE no 5º Colóquio Internacional de Estudos sobre Homens e Masculinidades
De 14 a 16 de janeiro
Santiago, Chile.

Nenhum comentário:

Postar um comentário