quarta-feira, 30 de julho de 2014

Pai não é visita!


Campanha chama a atenção para o cumprimento da Lei do Acompanhante (11.108/2005)





Presenciar o parto pode ser uma experiência transformadora para o pai do/a bebê que nascerá.  Desde que seja desejo da parturiente, a presença do pai durante todo o trabalho de parto é garantida pela Lei do Acompanhante (11.108/2005) que dá a gestante o direito a ter um/a acompanhante de sua livre escolha durante o pré-parto, parto e pós-parto imediato. Infelizmente, ainda são muito frequentes casos de descumprimentos dessa lei e, muitas vezes, é o pai do/a bebê que é impedido de acompanhar o parto. Com o objetivo de chamar a atenção para o descumprimento da Lei do Acompanhante, o Instituto Papai, em parceria com o Núcleo de Pesquisa em Gênero e Masculinidades – Gema-UFPE, promove a Campanha Pai Não é Visita! Pelo direito de ser acompanhante. Uma série de ações está em andamento e no domingo, 10 de agosto, haverá o Ato público de divulgação da Lei do Acompanhante e a coleta de denúncias sobre o descumprimento dessa lei. O evento será no Parque 13 de Maio, Boa Vista, às 9h.

Instituto Papai vem, desde 2006, realizando a campanha Pai não é visita! Pelo direito de ser acompanhante, uma iniciativa que visa exigir dos Governos Municipal, Estadual e Federal o respeito a este direito das mulheres e ao desejo dos homens de serem acompanhantes. “ Desde 2006 a campanha divulga e denuncia o recorrente descumprimento da Lei do Acompanhante. Naquele momento, sabíamos que poucas pessoas conheciam esse direito e era importante fazer com que esta informação chegasse ao maior número de pessoas possível. Passados 8 anos, aumentou o conhecimento da população sobre esse direito, mas pouca coisa mudou em relação a sua efetivação. Então, além de continuar com a divulgação da lei, pretendemos, neste ano, avançar no sentido de ter ganhos reais no que diz respeito à implantação das condições necessárias para a presença do acompanhante de livre escolha da mulher. Por isso, vamos, junto com outros grupos e organizações que lutam pela humanização do parto e nascimento, realizar uma denúncia  junto ao Ministério Público de Pernambuco, com o objetivo de que este cobre ações efetivas dos governos nesse sentido.” Destaca a Coordenadora Geral do Instituto PAPAI, Mariana Azevedo.

Ações da Campanha Pai não é Visita:

Blitz nas Maternidades – Desde o último dia 14 de julho pesquisadores  do Instituto PAPAI e Gema-UFPE estão visitando as unidades de saúde do Grande Recife com o objetivo de divulgar a Lei do Acompanhante e a sua implementação nas unidades de saúde.
Coleta de depoimentos sobre o descumprimento da Lei do Acompanhante e audiência com o Ministério Público de Pernambuco– desde junho, o Instituto PAPAI, através de formulário disponibilizado pelas redes sociais, vem recebendo depoimentos de pessoas que foram vítimas ou conhecem histórias de descumprimento à Lei do Acompanhante. O objetivo é, com esses depoimentos, elaborar um relatório com denúncias sobre esse tipo de problema e com sugestões para o Ministério Público de Pernambuco. Na audiência pretende-se, também, mostrar o resultado da Blitz nas maternidades (pesquisa sobre a implementação da lei).
Participação na Semana Mundial do Aleitamento Materno no Hospital das Clínicas – na segunda, 4 de agosto, o Instituto PAPAI participará da  Semana do Aleitamento juntamente com membros do Programa de Apoio à Gestante Adolescente/ Progesta do Hospital das Clínicas, para falar da importância da participação do pai do aleitamento.  Haverá uma exposição de fotografias das famílias e uma roda de conversa sobre a importância do aleitamento materno Local: Portaria 4 do HC. Às 8h da manhã.
Roda de diálogos – o Núcleo de Pesquisa em Gênero e Masculinidades – Gema-UFPE promove, na quarta-feira, 6 de agosto, a roda de diálogos Pai não é visita: direito ao acompanhante no contexto da humanização em Saúde. O encontro será às 14h no auditório do 8º  andar do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da UFPE e terá a participação, como debatedores, do Prof. Jorge Lyra (Coordenador do GEMA-UFPE); Gigi Bandler (do Comitê de Estudos Sobre Mortalidade Materna); Elaine Miller (Professora de Depto de Antropologia e Museologia da UFPE); Mariana Azevedo (Coordenadora Geral do Instituto PAPAI) e Ana Luisa Cataldo (Pesquisadora do GEMA-UFPE e Coordenadora a sessão).
Palestra no Patronato Penitenciário de Pernambuco – Na sexta-feira, 8 de agosto, às 9h, o educador social do Instituto PAPAI, Rafael Acioly, participa de palestra no Patronato Penitenciário de Pernambuco, órgão da execução penal, vinculado à Secretaria Executiva de Justiça e Direitos Humanos, e que acompanha os reeducandos em Regime Aberto, Livramento Condicional e Egressos do Sistema Prisional do Estado de Pernambuco, com o propósito de fornecer o suporte necessário para a ressocialização dos mesmos. A palestra abordará questões que se relacionam à Paternidade, faz parte das comemorações do Dia dos Pais e ocorrerá no Auditório do Procon, localizado na Rua Floriano Peixoto, 141, 4º andar, Santo Antônio (em frente à Casa da Cultura), para um público de aproximadamente 100 pessoas. 

Realização:
  



Serviço:
Ato público de divulgação da Lei do Acompanhante e a coleta de denúncias sobre o descumprimento dessa lei.
Local: Parque 13 de Maio, Boa Vista
Hora: 9h
Aberto ao público
Informações: (81) 3271. 1420 (Instituto PAPAI) www.papai.org.br




Nenhum comentário:

Postar um comentário